Menu Programação

Serviço Educativo

1. Introdução
2. Oferta Educativa
3. Condições de Realização
4. Case study – "A Música está na Escola" – Escola Secundaria da Rainha Santa Isabel – Estremoz
 

1. Introdução

Pioneira na programação educativa em Portugal, a Orquestra do Norte tem vindo a sistematizar esta experiência, que ocupa já cerca de 50% da sua atividade. São, em média, entre 70 a 90 apresentações, que se ofereceram em edições passadas ao universo das escolas da zona Norte, para incentivar a formação dos mais jovens, aproveitando as vantagens que a música tem ao nível da concentração, audição, capacidade de abstração, mas também na motricidade fina e na coordenação rítmica. Em cada ano letivo, uma temporada inteira de descobertas para fazer, cuja preparação começa já com os estabelecimentos de ensino.

Com propostas pensadas tanto para públicos mais jovens como para estudantes universitários, a Orquestra do Norte estabelece nestes concertos-pedagógicos laços diretos, em que os ouvintes são implicados e podem até tornar-se protagonistas ou intervenientes em palco (caso dos Concertos Sinfónicos Participados). Na temporada que se aproxima há várias semanas com datas que as escolas podem escolher, indo a Orquestra ao seu encontro, mas também existe a possibilidade de as turmas assistirem a ensaios abertos da ON, descobrindo de outra forma os timbres dos instrumentos, as particularidades das obras e dos seus compositores.

As propostas começam, de ouvido bem atento, pela «Anatomia da Orquestra», provam que «A Música também Viaja», que «A Música também Dança», que há três B’s que fazem história (Bach, Beethoven a Brahms), que a música mudou o cinema («Composições da Fábrica de Sonhos I e II). Nos «Concertos Sinfónicos Participados», a voz, o movimento e a percussão fazem dos ouvintes também intérpretes. E este ano há uma estreia: concertos em que «A Física, a Matemática e a Música» mostram como tudo está interligado no universo sonoro.

Nos casos em que a «Orquestra vai à escola», há programas desenhados para os espaços necessariamente mais pequenos, com formações orquestrais de cordas, sopros, percussão e harpa, que farão surgir mundos de sons bem diferentes.

Entre as obras que vão ajudar a mostrar as cores dos timbres dos instrumentos, estão títulos como «Pedro e o Lobo», «O Quebra-Nozes» ou «As quatro estações». Mas haverá outras que ilustram os modos como os instrumentos pintam a música e se ligam às emoções. Para perceber como o clarinete é mais intimista, o oboé acutilante, o violoncelo expressivo e o fagote brincalhão. E ficar a saber o que é o timbre, a altura, o ritmo, aproveitando para entrar em contacto direto com a Orquestra e talvez, quem sabe, descobrir novos talentos e formas de olhar para o futuro.

 

2. Oferta Educativa


Despertar o sentido estético e o gosto pela música, vivido de uma maneira ativa, contribuindo para o desenvolvimento cognitivo e para a socialização da criança são algumas das finalidades dos concertos pedagógicos. A integração do ensino musical na educação revela-se cada vez mais importante, pelo facto de a música ter grande influência no domínio do corpo, na expressão, na psicomotricidade, no cultivo da voz e da linguagem, contribuindo ainda para incentivar a criatividade das crianças e jovens.

A sala de música permite a vivência de sensações, o despertar de perceções, a abertura de canais de comunicação. A conjugação de tudo isto conduz as crianças à aquisição de competências e a um outro plano de compreensão e expressão. Sendo reconhecida a importância da audição no desenvolvimento da sensibilidade, um dos objetivos dos concertos é fazer de cada aluno um recetor ativo, tentando que este participe tanto na audição de fragmentos musicais específicos como de obras completas. Desta forma, o jovem ouvinte pode mais facilmente aprender a observar, a analisar e a apreciar a realidade sonora em geral e, em particular, a musical.

O timbre dos instrumentos desempenha um papel importante na audição, já que contribui para determinar o caráter da obra. Antes da audição de uma obra instrumental, os alunos conhecem os instrumentos que nela intervêm, através da observação direta. Os instrumentos são apresentados sequencialmente por famílias (cordas, sopros madeira, sopros metal e percussão) através de uma descrição técnica simples, seguindo-se a audição de um trecho curto, executado a solo ou por grupo de músicos.

Numa obra musical salientam-se diferentes e variados fatores: a cultura da época em que foi criada, o ambiente do seu criador, o estilo do próprio compositor, a estrutura da composição, as vozes ou instrumentos que a interpretam, etc. Do compositor salientam-se apenas os aspetos biográficos mais determinantes, apresentados de forma breve, ágil e atrativa, despertando, assim, a atenção do aluno. Para isso, utilizam-se retratos de compositores e elementos relacionados com a sua vida, referências ao lugar e país de nascimento. Em todas as sessões o autor e a obra são enquadrados no ambiente sociocultural da época, realçando os aspetos técnicos e estéticos da sua música.

O ritmo, a melodia, a harmonia, o timbre e a forma são os elementos básicos da música que o compositor utiliza ao criar a sua obra. Através da audição musical, faz-se uma aproximação progressiva dos alunos à identificação destes elementos, permitindo que, mais tarde, consigam captar e comparar os traços diferenciadores gerais de obras de diversas épocas e estéticas.

Ilustrar a audição com diapositivos ou com vídeos é um dos recursos usados nestes concertos, dado o permanente poder de atração que as imagens exercem em quem as contempla, como elemento complementar de introdução à música. A projeção de imagens relacionadas com o programa, sincronizadas com as mudanças de tema musical na obra, facilita a análise e a compreensão da estrutura de cada composição.

 

 

2.1 A Fábrica da Música

A Fábrica da Música é o título genérico de uma série de programas - compostos por excertos selecionados ou por obras completas - que têm como principal objetivo a descoberta e a compreensão da Orquestra. Através das peças especificamente escolhidas, os alunos terão oportunidade de conhecer uma formação sinfónica por dentro, fazendo até, nalguns casos, parte dela! E assim cada ouvinte vai descobrindo as componentes da Orquestra, apercebendo-se da duplicidade da sua natureza, ao mesmo tempo simples e complexa. Uma aventura com vários passos e propostas.

• Anatomia da Orquestra
Anatomia da Orquestra é um programa que dá a conhecer os instrumentos que integram uma orquestra. As obras a interpretar nestes concertos pedagógicos são escolhidas pelas suas qualidades ilustrativas dos diferentes instrumentos apresentados. A audição é facilitada com comentários esclarecedores sobre os aspetos técnicos e conceptuais envolvidos na performance, numa linguagem simples e direta.
Idades recomendadas: 6 aos 14 (1º, 2º e 3º ciclos)

• A Música também viaja
À descoberta da orquestra e dos instrumentos, verificando a sua versatilidade, e as formas diferentes de tocar que permitem reconhecer características identitárias de culturas diversas. São para isso apresentados alguns excertos de obras famosas de compositores oriundos das mais diferentes partes do mundo, que permitem reforçar a ideia de que a música, apesar das especificidades culturais, constitui uma plataforma de comunicação global.
Idades recomendadas: 6 aos 14 (1º, 2º e 3º ciclos)

• A Música também Dança
Ao longo da História, muitos compositores famosos escreveram temas inspirados em danças da sua época. Nestes concertos, viajaremos através dessas músicas, vivenciando e descobrindo as características específicas de cada obra e das suas influências.
Idades recomendadas: 6 aos 14 (1º, 2º e 3º ciclos)

• A Música dos 3 B’s
São três grandes compositores da História da Música, cujos apelidos iniciam com a letra B: Bach, Beethoven, Brahms. O que têm em comum e de diferente? O que disseram nas suas vidas e na sua música? Programa pensado com o intuito de mostrar, através de exemplos referenciais, a evolução da Orquestra e da Música no espaço de tempo compreendido entre os Períodos Barroco e Romântico.
Idades recomendadas: 6 aos 14 (1º, 2º e 3º ciclos)
Bach Beethoven Brahms

• Composições da Fábrica dos Sonhos
Como explicar que a música, mesmo subordinada ao complexo código sonoro e visual do filme, possa exercer importância decisiva no resultado final? A resposta a essa questão está na própria natureza da música, na essência da sua linguagem, ilustrada com diversos exemplos selecionados entre obras que marcaram a sétima arte. Uma proposta com dois movimentos:

Fábrica dos Sonhos I
Começam a ouvir-se alguns dos temas mais conhecidos do mundo da Sétima Arte. O objetivo é dar a conhecer os diferentes instrumentos da orquestra, e a sua diferente utilização na música de filmes, bem como destacar a importância da música orquestral no Cinema.

Fábrica dos Sonhos II
Neste programa, dando continuidade à apresentação de músicas fundamentais da Sétima Arte, pretende-se que os alunos consigam já identificar os diferentes instrumentos da orquestra, anteriormente apresentados. Passando a conhecer a organização interna da orquestra, bem como o papel de cada um dos seus intervenientes.
Idades recomendadas: 6 aos 14 (1º, 2º e 3º ciclos)

• Concerto sinfónico participado
O objetivo deste programa é promover a interação entre os alunos de Educação Musical e a orquestra. Mais do que a audição, há também espaço para a participação ativa dos ouvintes. As partituras das obras escolhidas incluem a plateia, dando-lhe um papel fundamental não só na execução de pequenas coreografias mas também na percussão (corporal ou instrumental) e voz.
Nota: A preparação deste programa pressupõe um trabalho prévio na sala de aula, com material fornecido antecipadamente.
Idades recomendadas: 9 aos 12 (2º ciclo)

• Matemática, Física e Música
A ligação entre a música e a ciência, captando a atenção dos ouvintes para a interação entre diferentes áreas de saber. Quantas vezes ouvimos os jovens dizer que o que estudam não “serve para nada”? O novo programa da Orquestra do Norte procura contradizer esta perceção errada, provando aos estudantes que a ciência tem infinitas aplicações em campos que podem, até, envolver a mais pura das artes. É também um projeto multidisciplinar que mostra aspetos técnicos que geralmente estão na sombra do ato de criação artística. Todo o programa assenta na demonstração de que a música sem matemática e sem física não poderia existir. Ilustrando cada momento com a presença da orquestra.
Idades recomendadas: a partir dos 15 anos (Secundário)

• Pedro e o Lobo (Serguei Prokofiev)
Pedro e o Lobo é uma história infantil contada através da música. Foi composta em apenas 4 dias por Sergei Prokofiev, no ano de 1936, com o objetivo pedagógico de mostrar às crianças as sonoridades dos instrumentos.
A história relata o modo como Pedro engana o lobo e salva os seus amigos Pato, Pássaro e Gato. Cada personagem (Pedro, o Lobo, o Avô, o Passarinho, o Pato, o Gato e os Caçadores) é representada por um instrumento.
Assim, Pedro é representado pelas cordas, o Pássaro pela flauta; o clarinete dá voz ao Pato, o fagote ao Avô, e o malvado Lobo é interpretado pelas trompas.
Programa idealizado e encenado por Jorge Castro Guedes, com a participação dos atores Linda Rodrigues, Inah Santos e Mário Santos.

• O Quebra-Nozes (Piotr Ilitch Tchaikovsky)
O Quebra-Nozes é uma peça do bailado clássico de Tchaikovsky inspirada num excerto de um conto de Hoffmann.
A obra desenvolve-se à volta de uma noite de Natal, em que Jans Stahlbaum faz uma grande festa. Os filhos, Clara e Fritz, aguardam ansiosos. O padrinho de Clara, Herr Drosselmeyer, é um criador de brinquedos.
Quando chega, entretém os convidados com bonecos mecânicos que dançam. Na hora das prendas, Clara recebe do padrinho um quebra-nozes, com roupas de soldado. A festa termina, todos vão dormir. Um pouco mais tarde, Clara vê-se atacada por uma legião de ratos. O Quebra-Nozes toma entretanto vida e enfrenta o Rei dos Ratos, acabando por se ferir mortalmente. As lágrimas de Clara quebram o encantamento, transformando o boneco num príncipe, que a convida para uma viagem ao Reino Encantado. No regresso, Clara acorda e fica com as lembranças daquela noite encantada.
Programa idealizado e apresentado por Jorge Castro Ribeiro.

• As Quatro Estações (Antonio Vivaldi)
Qual será a estação preferida das crianças? A Primavera? O Verão?
A resposta será dada depois de ouvirem a mais famosa composição de Vivaldi: As Quatro Estações.
Estreado em 1723, este conjunto de concertos para violino permanece como um dos mais populares na História da Música. A textura de cada movimento é variada, ilustrando a respetiva estação do ano. Por exemplo, o “Inverno” é escuro e sombrio, enquanto a “Primavera” tem sons que nos lembram o chilrear dos passarinhos e o zumbido das abelhas.

• Ensaio Aberto
O projeto Ensaio Aberto convida as crianças a entrar nos bastidores de uma orquestra. Na informalidade de uma sala de ensaios, as crianças poderão verificar qual o esforço necessário para a concretização de um concerto.
Serão então apontadas as particularidades do compositor por parte do maestro e dos músicos – realçando temas, motivos, transições, detalhes da orquestração, estruturas formais, pormenores de estilo e da interpretação – de forma a oferecer à audiência uma visão próxima do mundo do compositor, da sua obra e da vivência de uma orquestra.

2.2 A Orquestra vai à Escola

E quando não existe um auditório que possa acolher toda a orquestra, ou quando a opção didática dos professores das escolas for nesse sentido, há outras possibilidades de organizar o programa musical educativo. As propostas que integram esta rubrica têm como objetivo principal desvendar as diversas famílias de instrumentos da orquestra, através de um reportório de Música de Câmara específico. Assim surge:

• O Mundo das Cordas
Para descobrir os instrumentos mais à frente da orquestra – e porque estão eles aqui? - cuja sonoridade passa do lirismo de um violino ao timbre mais telúrico do violoncelo. Uma família a que poucos compositores resistem.

• O Mundo dos Sopros
Os mais festivos? Os mais possantes? Ou será que também capazes de fazer crescer harmonias delicadas? Das trompas guerreiras ao som doce do fagote, um mundo de sopros, divididos em madeiras e metais.

• O Mundo da Percussão
Tão antiga como o mundo dos homens, a percussão faz vibrar todos os públicos, com sonoridades diversas e muitas vezes surpreendentes. Um apelo a que os mais pequenos não escapam, mesmo quando estão a descobrir a música.

• O Mundo da Harpa
Fonte múltipla de sons, a harpa tem lugar próprio na composição ao longo da história da música. Algo que só a audição pode explicar, nas complexas possibilidades deste antiquíssimo instrumento.


3. Requisitos necessários para a realização de concertos pedagógicos/condições de realização:

- espaço com 10m*10m, no mínimo, para colocação da orquestra;
- disponibilidade do espaço duas horas antes do concerto para montagem;
- fornecimento de cadeiras sem braços e com costas direitas (+/- 50);
- 2 espaços para camarins coletivos (homens/senhoras);
- 1 espaço para camarim individual (maestro);
- 1 projetor e respetiva tela para projeção com 1,5m*1,5m de dimensão mínima;
- 1 microfone para o maestro (de preferência sem fios ou com manobrabilidade suficiente para o maestro se poder movimentar e interagir com os alunos);
- visita técnica prévia (30 dias), para avaliação dos itens supracitados;
- garantir a presença de docentes e outros elementos de ligação com a escola e os alunos,
que possam facilitar a comunicação e a normal apresentação de um concerto pedagógico;
- assegurar o preenchimento dos instrumentos de análise/avaliação solicitados pela Orquestra do Norte;
- seleção de um elemento de contacto para garantir a ligação entre a escola e a produção da Orquestra do Norte durante a organização do(s) concerto(s).

 

4. Case Study – "A Música está na Escola"
Escola Secundária da Rainha Santa Isabel – Estremoz

Materiais produzidos, respeitantes ao Projeto "A Música está na Escola", evento da maior importância para a comunidade educativa em Estremoz e com justa projeção amplificada:

 

Imagens dos vários eventos realizados.


Ciclo de Cinema – 2O de Maio, 2015
AMADEUS, de Miloš Forman
Auditório Moisés Pereira

  Ciclo de Cinema – 22 de Maio
  A FLAUTA MÁGICA, de Ingmar Bergman
  Auditório Moisés Pereira

Concertos Pedagógicos – 19 Maio, 2015
Auditório Moisés Pereira


Exposição – Maio, 2015
PELA MÚSICA É QUE VAMOS...
Átrio | Entrada da Escola

Mesa Redonda – 18 de Maio, 2015
O PAPEL DA MÚSICA NA SOCIEDADE
Biblioteca

Jornal – Maio, 2015
A Música está na Escola

OFERTA EDUCATIVA

A Fábrica da Música
• Anatomia da Orquestra
• A Música também viaja
• A Música também Dança
• A Música dos 3 B’s
• Composições da Fábrica dos Sonhos
- Fábrica dos Sonhos I
- Fábrica dos Sonhos II
• Concerto sinfónico participado
• Matemática, Física e Música
• Pedro e o Lobo (Serguei Prokofiev)
• O Quebra-Nozes (Piotr Ilitch Tchaikovsky)
• As Quatro Estações (Antonio Vivaldi)
• Ensaio Aberto

A Orquestra vai à Escola
• O Mundo das Cordas
• O Mundo dos Sopros
• O Mundo da Percussão
• O Mundo da Harpa

Próximo evento:
28 Outubro 2017 | Sábado
Guimarães
Apoio Institucional
Seguir
Orquestra do Norte -